Caso de Estudo

Lajes do Pico - Geomorfologia e Zonação

Lajes do Pico é uma vila situada na base de uma arriba com mais de 200 m. A Plataforma Costeira das Lajes do Pico é formada por escoadas lávicas com origem no cone vulcânico em escudo do Topo.

De forma irregular, esta apresenta baixo declive e a sua largura varia entre 200 e 300 m. A plataforma rochosa é caracterizada por diferentes tipos de substrato: plataformas de escoada (Lajido), blocos rochosos, calhaus de várias dimensões, poças litorais, fendas de diversas profundidades e larguras. Estes ambientes criados pelo próprio substrato oferecem óptimas condições para a vida marinha.

No intertidal os organismos distribuem-se seguindo a zonação típica das costas dos Açores.

O início do meio marinho está bem marcado pela presença de litorinas (Tectarus striatus), ao que se segue a zona das cracas Chthamalus stellatus e lapas (Patella spp.), seguindo-se a zona das algas verdes ou musgo algal.

Por fim, as algas frondosas ou o musgo multiespecífico marca a transição com a zona submersa.

As poças litorais existentes na plataforma são abundantes e assumem um papel bastante relevante para espécies como o mero Epinephelus marginatus, uma vez que funcionam como berçários. Um exemplo destas poças é a Poça do Cão, localizada a sudeste da plataforma.

Esta não possui ligação direta como o mar, sendo alimentada por debaixo dos calhaus e por canais lávicos.

A Poça do Cão alberga organismos pouco comuns na restante plataforma, como é o caso do pseudoescorpião Neobisium maritimum.